(21) 2262-2244 / (21) 98723-0404

 

2016 © - Arthur Figer

Todos os Direitos Reservados

A Psicoterapia Analítica

Sigmund Freud

Nome completo: Sigmund Freud

Nascimento: 6 de maio de 1856

Local: Freiberg in Mähren, Morávia,Império Austríaco (atualmente pertencente à República Tcheca)

Morte:23 de setembro de 1939 (83 anos) Londres, Inglaterra, Grã-Bretanha

Nacionalidade: Austríaca

Influências: Platão, Brücke, Darwin, Friedrich Nietzsche, Charcot, Breuer, Sófocles, Shakespeare, Goethe, Schopenhauer

Influenciados: Jung, Lacan, Adler, Klein, Ana Freud(sua filha), Bion, Winicott Escola de Frankfurt, Guattari, de Beauvoir, Castoriadise outros.

Prêmios: Prêmio Goethe

Escola/tradição: Psicanálise (fundador)

Principais interesses: Neurologia, psiquiatria, psicologia, psicoterapia, psicanálise, literatura

Frases e Pensamentos

'Posso asseverar que o método analítico de psicoterapia é o mais penetrante, o que chega mais longe, aquele pelo qual se consegue a transformação mais ampla.'

'A renúncia progressiva das pulsões parece ser um dos fundamentos do desenvolvimento da civilização humana.'

'É quase impossível conciliar as exigências da pulsão sexual com as da civilização.'

'O sonho representa a realização de um desejo.'

'A essência da repressão consiste simplesmente em afastar determinada coisa do consciente, mantendo-a à distância.'

'É na palavra e pela palavra que o inconsciente encontra sua articulação essencial.'

'O mais grosseiro, embora também o mais eficaz, desses métodos de influência (para evitar o sofrimento) é o químico: a intoxicação. (...) com o auxílio desse ‘amortecedor de preocupações’, é possível, em qualquer ocasião, afastar-se da pressão da realidade e encontrar refúgio num mundo próprio, com melhores condições de sensibilidade.' (1929-1930)

'(...) é exatamente essa propriedade dos intoxicantes que determina o seu perigo e a sua capacidade de causar danos. São responsáveis (...) pelo desperdício de uma grande quota de energia que poderia ser empregada para o aperfeiçoamento do destino humano.' (1929-1930)

'O sentimento de felicidade derivado da satisfação de uma selvagem pulsão não domada pelo ego é incomparavelmente mais intenso do que o derivado da satisfação de uma pulsão que já foi domada. (...) Uma satisfação irrestrita de todas as necessidades apresenta-se-nos como o método mais tentador de conduzir nossas vidas. (...) Isso, porém, significa colocar o gozo antes da cautela, acarretando logo o seu próprio castigo.' (1929-1930, p. 85)

'Nós acreditamos que a civilização foi criada sob a pressão das exigências da vida e ao custo da satisfação das nossas pulsões.'

'A liberdade do indivíduo não é uma dádiva da civilização. Esta era maior antes de haver qualquer civilização.'