(21) 2262-2244 / (21) 98723-0404

 

2016 © - Arthur Figer

Todos os Direitos Reservados

Psicoterapia Analítica pode ser descrita como um percurso que permite ao analisante* adquirir um conhecimento maior sobre si mesmo, sobre as forças antagônicas que atuam em sua psique e, principalmente, sobre seu desejo. Inicialmente, Freud não fazia distinção entre os termos 'psicoterapia' e 'psicanálise', empregando-os indistintamente para referir-se ao método de tratamento que criara. Frequentemente, utilizava a expressão 'terapia analítica', como que estabelecendo uma conexão entre ambos.

(*) Quem faz análise.

Psicoterapia Analítica

Quando Jacques Lacan fala sobre desejo, não é a qualquer desejo que ele se refere; trata-se sempre de desejo inconsciente, cuja origem é invariavelmente sexual. Sobre a natureza inconsciente do desejo, Miller (1997, p. 204) deixa claro que “o desejo é a vontade mais além do que podemos conhecer conscientemente”. Pode-se dizer, resumidamente, que o objetivo do tratamento psicanalítico seria, portanto, o de (re)conduzir o sujeito a reconhecer a verdade sobre seu desejo. Para a psicanálise, o que é importante, antes de mais nada, é “ensinar o sujeito a nomear, a articular, a fazer passar para a existência, este desejo que está, literalmente, para aquém da existência, e por isto insiste.” (Lacan, 1954-55/2010, p. 309).

"Posso asseverar que o método analítico de psicoterapia é o mais penetrante, o que chega mais longe, aquele pelo qual se consegue a transformação mais ampla.'"(S. Freud)

Já em 1905, Freud escrevia sobre a função central da palavra no tratamento psíquico: 'Um desses meios é sobretudo a palavra, e as palavras são também a ferramenta essencial do tratamento anímico (psíquico).' (Freud, SE, vol. VII, p. 271). Para ilustrar, Anna O., a famosa analisante do médico austríaco Josef Breuer (colega de Freud), apelidou o método psicanalítico de 'talking cure' ou 'cura pela palavra'. Um século depois de Freud e Anna O., a escritora  gaúcha Martha Medeiros conclui desta maneira um de seus textos mais inspirados, entitulado exatamente 'A palavra': 'Como atingir o ponto nevrálgico das nossas dores sem o bisturi certeiro da palavra? É através dela que a gente se cura'. Para a psicanálise, 'talking cure' em sua essência, a palavra tem força e funciona como uma espécie de ‘rede de proteção’, um anteparo contra a queda livre da angústia. 'É próprio da psicanálise operar sobre o sintoma mediante a palavra, quer seja esta a palavra da pessoa em análise, quer seja a interpretação do analista.', diz o psicanalista francês Jacques-Alain Miller (1988, p. 12).

Com o decorrer das sessões, o(a) analisante descobrirá novas formas de olhar e lidar com suas questões, conflitos e limitações. Em relação aos efeitos e eficácia da psicanálise, duas pesquisas recentes, publicadas pela revista 'Mente & Cérebro' (fev. 2012) e realizadas pelas Universidades de Amsterdam e de São Paulo (USP), mostram que a psicanálise pode ajudar a reorganizar circuitos neurais em áreas ligadas à tomada de decisões e ao controle das emoções.

A Psicoterapia Analítica

Psicoterapia e Psiquiatria

Psiquiatria é uma especialidade da medicina que lida com a prevenção, atendimento, diagnóstico, tratamento e reabilitação das diferentes formas de sofrimentos mentais, sejam elas de cunho orgânico ou funcional. Uma doença ou problema psíquico pode ser tratado através de medicamentos ou terapêuticas diversas, como a psicoterapia, prática de maior tradição no tratamento.