(21) 2262-2244 / (21) 98723-0404

 

2016 © - Arthur Figer

Todos os Direitos Reservados

A Psicoterapia Analítica

JACQUES LACAN

Nome Completo: Jacques-Marie Émile Lacan

Nascimento: 13 de abril de 1901 - Paris, França

Morte: 9 de setembro de 1981 (80 anos) - Paris, França

Nacionalidade: Francês

Ocupação: Psicanalista

Influências

Freud, Clérambault, Saussure,Hegel, Martin Heidegger, Jakobson, Émile Benveniste, Lévi-Strauss, Kojève, Georges Bataille

Influenciados

Žižek, Althusser, Guattari, Badiou, Miller, Kristeva, Jacques Derrida

Escola/tradiçãoEstruturalismo, Pós-estruturalismo

Principais interesses: Psicanálise, Filosofia, Antropologia, Literatura, Lingüística, Topologia, Saúde mental

Frases e Pensamentos

‘Freud incumbe-se de nos mostrar que há doenças que falam e de nos fazer ouvir o que elas dizem…’ (Congresso de Línguas Românicas – 1951)

‘Em nenhum caso uma intervenção psicanalítica deve ser teórica, sugestiva, quer dizer, imperativa; ela deve ser equívoca. A interpretação analítica não é feita para ser compreendida; ela é feita para produzir ondas.’

‘A experiência (analítica), ao contrário, conduz-nos à terceira via, que colocarei sob o indicador da função da chave. A chave é aquilo que abre e que, para abrir, funciona.’

‘O inconsciente é estruturado como uma linguagem.’

‘Algo em nós sempre ri, sonha e fracassa.’

‘A psicanálise prossegue por um retorno à ação.’ (1959-60/2009, p. 371)

‘Nada força ninguém a gozar, senão o supereu. O supereu é o imperativo do gozo – Goza!’ (1972-73, p. 11)

‘Quando Freud tenta elaborar o que a princípio só é articulado metaforicamente, ele nos diz que o gozo conduz a uma diminuição do limiar necessário à manutenção da vida, limiar este que o próprio princípio do prazer define como um infimum, isto é, a mais baixa das elevações, a mais baixa tensão necessária a essa manutenção. Mas também é possível cair abaixo dele, e é aí que a dor começa e só pode disseminar-se. Por fim, diz-nos Freud, esse movimento tende para a morte.’ (sem. 16, 1968-69, p. 111)

‘Ele (Freud) sabia, e nos deu esse saber em termos que se podem dizer indestrutíveis.’ (1964/2008, p. 226)

‘A angústia, portanto, é um termo intermediário entre o gozo e o desejo, uma vez que é depois de superada a angústia, e fundamentado no tempo da angústia, que o desejo se constitui.’ (1962-63/2005, p. 193)

‘O desejo, função central em toda experiência humana, é desejo de nada que possa ser nomeado.’ (1954-55, p. 302)

‘Quer normatizem meus objetos, quer não, enquanto eu desejo, nada sei sobre aquilo que desejo. Depois, de vez em quando, aparece um objeto entre todos os outros, o qual realmente não sei por que está ali.’ (1962-63/2005, p. 93)

‘O gozo fálico é o obstáculo pelo qual o homem não chega, eu diria, a gozar do corpo da mulher, precisamente porque o de que ele goza é do gozo do órgão.’ (1972-73, p. 15)

‘A castração quer dizer que é preciso que o gozo seja recusado para que possa ser alcançado na escala invertida da Lei do desejo.” (1960, p. 807)

‘Aqui, trata-se de atacar, evidentemente, algo que é da ordem da relação do desejo com o gozo’. (1962-63/2005, p.197)

‘O que é importante é ensinar o sujeito a nomear, articular, trazer este desejo à existência.” (1954-55, p. 228)

‘Vocês não sabem que não é a nostalgia do seio materno que gera a angústia, mas a iminência dele? O que provoca a angústia é tudo aquilo que nos anuncia, que nos permite entrever que voltaremos ao colo. (…) e ela (a criança) fica perturbada ao máximo quando não há possibilidade de falta, quando a mãe está o tempo todo nas costas dela (…) (1962-63, p. 64)

‘O retorno ao texto de Freud mostra, ao contrário, a coerência absoluta de sua técnica e de sua descoberta.’ (Escritos, 1966/2008, p. 245)